As energias renováveis em 2050: como estará o mundo?

A Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA, sigla em inglês) divulga, frequentemente, relatórios sobre as energias renováveis em todo o planeta. Em um dos mais recentes, intitulado Global Renewables Outlook, mostra que a descarbonização dos sistemas energéticos pode ajudar na recuperação econômica imediata após a pandemia da Covid-19, ao mesmo tempo em que cria economias e sociedades mais resilientes e inclusivas

Este relatório emblemático destaca as opções de investimento seguro para o clima até 2050, o quadro político necessário para a transição e os desafios enfrentados por diferentes regiões.

Enquanto o mundo busca soluções econômicas duráveis, a adoção acelerada de energias renováveis promete impulsionar o desenvolvimento sustentável, aumentar o bem-estar e criar dezenas de milhões de novos empregos.

A abrangente análise da IRENA descreve os investimentos e tecnologias necessários para descarbonizar o sistema de energia segundo o Acordo de Paris.

Ela também explora opções de descarbonização mais profundas para os setores mais difíceis, com o objetivo de, eventualmente, reduzir as emissões de dióxido de carbono (CO2) a zero.

Aumentar as ambições regionais, nacionais e mundiais será crucial para atender aos objetivos interligados de energia e clima.

O relatório ainda apresenta conclusões sobre as perspectivas de transição específicas para dez regiões ao redor do mundo. Políticas abrangentes podem abordar as metas de energia e clima juntamente com desafios socioeconômicos, promovendo a transformação das sociedades.

Confira outras descobertas:

  1. As emissões de CO2 relacionadas à energia aumentaram 1% ao ano em média desde 2010. Embora a crise da saúde e a queda do preço do petróleo possam suprimir as emissões em 2020, uma recuperação restauraria a tendência de longo prazo.

  2. A transição para as energias renováveis, eficiência e eletrificação pode impulsionar um amplo desenvolvimento socioeconômico. O cenário de energia transformadora alinha os investimentos em energia com a necessidade de manter o aquecimento global em níveis baixos, em linha com o Acordo de Paris.

  3. Os empregos em energias renováveis atingiriam 42 milhões de pessoas globalmente até 2050, quatro vezes o nível atual, por meio do maior foco de investimentos em renováveis. As medidas de eficiência energética criariam 21 milhões e a flexibilidade do sistema, 15 milhões de empregos adicionais.

  4. A última parte das emissões de CO2 será a mais difícil e cara de eliminar. Há a necessidade de tecnologias inovadoras, modelos de negócios e adaptação comportamental para atingir emissões zero. A descarbonização do uso de energia a tempo de evitar mudanças climáticas catastróficas requer uma cooperação internacional intensificada. Com a necessidade de redução de emissões inalterada, os investimentos em energia limpa podem proteger contra decisões imprevisíveis e o acúmulo de ativos ociosos.

  5. As medidas de recuperação após a pandemia de Covid-19 podem incluir redes de energia flexíveis, soluções de eficiência, carregamento de veículos elétricos, armazenamento de energia, energia hidrelétrica interconectada, hidrogênio verde e outros investimentos em tecnologia consistentes com a sustentabilidade energética e climática de longo prazo.

  6. As medidas socioeconômicas para maximizar os benefícios da transição energética incluem políticas industriais, intervenções no mercado de trabalho, desenvolvimento educacional e de habilidades e programas de proteção social. Conforme os governos respondem à crise do novo coronavírus, eles precisam trabalhar juntos para um Acordo Global Sustentável, reconhecer as vantagens das energias renováveis e da eficiência, além de garantir uma transição justa para todos e preparar o caminho para uma economia global limpa.

Link para o estudo original: https://www.irena.org/publications/2019/Apr/Global-energy-transformation-A-roadmap-to-2050-2019Edition